top of page

Arranjo, Orquestração e Adaptação: uma linha tênue no espectro criativo musical

A (re)criação musical baseada em uma obra já existente pode acontecer de várias maneiras e com vários níveis de liberdade criativa, mas como?


Neste artigo eu apresento as três principais formas deste tipo de (re)criação musical: arranjo, orquestração e adaptação, entendendo-as dentro de um espectro criativo.



Contextualizando (o espectro criativo)

Se pensarmos em uma linha criativa - metaforicamente falando -, no início temos a adaptação, depois orquestração, arranjo, e por fim, a composição (tema para outro artigo). O que muda, a cada passo que avançamos, é o quanto de liberdade criativa temos em cada uma dessas atividades.


Se, de um lado, na adaptação, partimos uma música que já foi escrita, arranjada e orquestrada, e simplesmente adaptamos alguns elementos, do outro lado do espectro temos a composição, partindo de uma folha em branco - do zero -, com todas as possibilidades para criar. No meio do caminho, nos deparamos com o arranjo e a orquestração, com liberdades criativas relativamente grandes, mas, ainda sim, sujeitas a uma obra original.



Para entender melhor, vamos às definições (e exemplificações) de cada termo!


Adaptação Musical


A adaptação de uma obra musical se refere a atividade de adaptá-la para alguma circunstância ou instrumentação específica. Nestes casos trabalha-se em cima de uma música, um arranjo e orquestração que já existe, comumente fazendo pequenos ajustes a fim de adequar a obra para um grupo musical específico. Por exemplo, adaptar uma peça originalmente feita para um quinteto de cordas para ser tocada por uma orquestra de cordas. Algumas partes devem ser modificadas para esse novo grupo, mas a escrita musical será muito parecida com a original.


Os dois tipos de adaptação mais comum são os de instrumentação (como no exemplo citado acima) e de dificuldade técnica; no caso, uma obra complexa e de difícil execução ser simplificada para fins educacionais e permitir que músicos menos experientes possam tocar uma versão de performance facilitada.


Vou utilizar um dos meus projetos musicais como um exemplo adicional de adaptação musical. Eu criei o “Forró Sem Palavras” em 2018 em Nova Iorque, através do qual eu apresento uma série de músicas baseadas na tradição do forró com uma pequena orquestra popular: quarteto de cordas, quarteto de sopros, piano, acordeom, baixo, bateria e percussão. Desde a criação do projeto, eu tive a oportunidade de apresenta-lo em diferentes cidades, com diferentes grupos musicais. E em algumas dessas ocasiões, eu me vi obrigado a adaptar as obras para esses cenários musicais específicos. Uma dessas ocasiões foi quando eu fui convidado a apresentar no festival de Jazz de Toronto. O grupo musical de lá não contava com o piano. Ou seja, tive que adaptar as partes, retirando o piano do arranjo e incluindo as linhas importantes dele para outros instrumentos do grupo. O arranjo se manteve o mesmo e boa parte da orquestração também, mas uma série de alterações foram necessárias para suprir a falta deste instrumento, mantendo a coerência do arranjo e orquestração.



Rafael Piccolotto de Lima e orquestra de forró em Toronto"
Rafael Piccolotto de Lima e "Orquestra Fulô de Toronto"

Orquestração


No caso da orquestração, trabalha-se com a possibilidade de reescrever uma música já existente para um grupo instrumental bem diferente do original, geralmente aumentando a quantidade e variedade de músicos. Ou seja, aqui o criador musical tem muito mais decisões artísticas quanto a escolha dos instrumentos e, por consequência, ao colorido orquestral. Nesse contexto é possível criar novas linhas a partir daquelas já existentes, mas, de uma maneira relativamente restrita. Não se cria do zero.


Um exemplo comum é a orquestração de uma música originalmente escrita para piano solo. Se você fizer um curso de orquestração, muito provavelmente seu professor vai sugerir você orquestrar alguma peça do repertório padrão de piano - eu fiz isso diversas vezes durante meus estudos na UNICAMP (Universidade Estadual de Campinas). Neste caso a composição deve ser expandida e orquestrada para um grupo instrumental maior, como uma orquestra sinfônica.


Em um outro blog (focado em orquestração) eu usei como exemplo a orquestração de Ravel de uma peça de piano de Mussorgsky: "Quadros de uma exposição". (assista o video abaixo)




Arranjo Musical


E, por último, o arranjo nos da mais liberdade para criar. Podemos escolher uma música que já existe e re-imaginá-la de maneira livre. Suas decisões criativas podem ser mais simples e próximas a versão original, como a escolha de quais instrumentos tocam em quais momentos (orquestração) e a decisão sobre elementos simples (como a escolha de levada ou linha de acompanhamento), até a criação de elementos totalmente novos para integrarem esse novo arranjo.


Arranjadores podem incluir sessões inéditas que não fazem parte da música, alterar a forma, manipular a construção da narrativa musical, criar variações em cima das melodias, criar linhas de acompanhamento diferentes, linhas de contraponto ou brincar com a harmonia - só para citar alguns exemplos. As possibilidades são infinitas.


Um exemplo (criado agora, para este artigo): que tal re-imaginarmos o “Trenzinho do Caipira” de Villa-Lobos? Poderíamos nos utilizar do tema desta obra e selecionar algumas linhas e conceitos marcantes que Villa-Lobos usa em sua escrita, e eliminar todo o resto da composição original para orquestra. A partir daí recria-la para Big Band, por exemplo. Poderíamos incluir uma sessão de improviso no meio, criar uma introdução nova, ou re-harmonizar a melodia utilizando uma linguagem harmonica bem diferente da original. Estaríamos então, criando algo novo baseado na obra de Villa-Lobos, usando a liberdade criativa que temos enquanto arranjadores.


Conclusão - seu caminho criativo musical

Como vocês podem observar, existem inúmeros caminhos criativos a seguir. Não existe certo ou errado, mas um universo de possibilidades de criação musical em cima de uma obra já existente. Quanto mais entendermos essas possibilidades, técnicas e o processo criativo em si, mais livres e bem preparados estaremos para aturamos como criadores musicais relevantes.


Agora que já entendemos que as linhas entre adaptação e orquestração, entre orquestração e arranjo, são turvas, que tal refletirmos a diferença entre arranjo e composição? Assunto este que será tópico de outro artigo!


 

Gostou do conteúdo?


Deixe nos comentários dúvidas e sugestões para os próximos blogs! E não deixe de visitar os meus perfis no Instagram, Facebook e o canal do YouTube para vídeos completos com conteúdos exclusivos!


 
Rafael Piccolotto de Lima - Compositor, arranjador, diretor musical, produtor musical e educador
Sobre o autor

Rafael Piccolotto de Lima foi indicado para o Grammy Latino como melhor compositor erudito. Ele é doutor em composição de jazz pela Universidade de Miami e tem múltiplos prêmios como arranjador, diretor musical, produtor e educador.


Suas obras foram estreadas e/ou gravadas por artistas como as lendas do jazz Terence Blanchard, Chick Corea e Brad Mehldau, renomados artistas brasileiros como Ivan Lins, Romero Lubambo, e Proveta, e orquestras como a Jazz Sinfônica Brasileira, Orquestra Sinfônica das Américas e Metropole Orkest (Holanda).


Criadores musicais (conteúdo educacional):

Rafael Piccolotto de Lima (conteúdo artístico):
75 visualizações2 comentários

Posts recentes

Ver tudo

2件のコメント


Gostei da sua clareza e objetividade na apresentação. Parabéns!!!

いいね!
不明なメンバー
2023年12月26日
返信先

Fico feliz em saber que gostou!! Muito obrigado Marco. Grande abraço!

いいね!
bottom of page