top of page

O que faz a partitura do maestro tão especial?

Atualizado: 6 de nov. de 2022

Já ouviu falar em Grade Orquestral ou Grade do Maestro? Você sabe se existe alguma diferença entre a partitura do maestro e a dos músicos?


O artigo de hoje traz um panorama geral sobre a estrutura das partituras e quais as diferenças entre a grade de um maestro, partituras individuais dos músicos (instrumento a instrumento) e o lead sheet, que em tradução livre para o português, seria “parte guia”, também referida como melodia cifrada.



Grade orquestral

A grade do maestro é a partitura mais completa de todas. É onde todos os instrumentos estão grafados, é através dela que o regente sabe o que de acontecer em uma determinada música, ou seja, saiba tudo o que cada instrumento devem tocar. Ela é utilizada para estudo pré concerto, nos ensaios, e no momento da apresentação (a menos que o maestro deseje apresentar de cor). É a partir das informações da grade que ele sugere ajustes de interpretação e faz comentários para refinar a performance dos músicos. Durante os ensaios e concerto, é como um lembrete do que deve acontecer na música, especialmente a considerar que obras orquestrais geralmente tem uma forma alongada e complexa, com poucas repetições.


Portanto, a grade é onde o maestro consegue visualizar facilmente a relação entre os instrumentos e analisar a peça para uma melhor interpretação. Dessa maneira ele tem um guia para liderar melhor a orquestra, tudo de acordo com a obra apresentada e sua visão artística.


Uma curiosidade é que apesar de geralmente ser impressa em papel maior do que o padrão dos músicos, ela geralmente tem as escrituras em fonte reduzida para que possam caber as partes de todos instrumentos em uma mesma página – uma linha dedicada a cada parte.


Veja abaixo uma página da grade orquestral completa original de Danças da Quarentena, escrita para orquestra online híbrida.

Exemplo de grade orquestral completa. Composição: Danças da Quarentena (Rafael Piccolotto de Lima)

Assista ao vídeo abaixo se quiser ouvir a gravação relativa a essa partitura (essa página em particular é referente ao trecho 1:23 - 1:43).



Grade reduzida

Existem também versões reduzidas da grade, seja ela onde todos os instrumentos do mesmo tipo são representados em um mesmo pentagrama – exemplo: flautas 1 e 2 –, ou uma redução de piano, onde é possível visualizar (quase) todas as linhas tocadas em somente dois pentagramas – da mesma maneira que se escreveria para o piano –, sem distinção de instrumentação.

Essas grades reduzidas são muito úteis no caso de orquestrações muito grandes, ela facilita a leitura do maestro. Ela serve também para análise musical, acelerando questões de leitura relacionadas à transposição e harmonia.


No meu curso de “Processos Criativos”, por exemplo, eu utilizo todos esses tipos de grades orquestrais durante o processo de análise com meus alunos. A grade completa é utilizada para observar a orquestração em detalhes, enquanto a grade reduzida facilita a análise dos eventos musicais, melodias, harmonia e forma.


Veja abaixo dois exemplos de grades reduzidas: primeiro uma redução simples em duas partes de piano com adição de uma parte extra para sessão rítmica popular, depois uma grade completa reduzida em naipes.


EXEMPLO 1

Exemplo 1: grade orquestral reduzida em dois pentagramas de piano, com adição de uma linha guia de sessão rítmica popular). Composição: Danças da Quarentena (Rafael Piccolotto de Lima)
 

EXEMPLO 2

Exemplo 2: grade orquestral reduzida em naipes. Composição: Danças da Quarentena (Rafael Piccolotto de Lima)

Lead Sheet / Parte guia

O lead sheet, comumente usado na música popular, também funciona como um guia geral da música, da estrutura base de uma composição. Geralmente tem o formato de uma melodia cifrada com a ocasional adição de linhas que sejam importantes para a composição, a exemplo de uma introdução, linha de baixo ou contracanto.


Esse tipo de partitura, alem de ser um ótimo guia para o entendimento da música, é utilizado por músicos que tem o hábito de improvisarem aspectos de suas partes. Nesse contexto, a partitura é como uma espécie de mapa que todos os músicos da banda têm acesso. Através dele cada um cria e toca sua parte, de acordo com a função do seu instrumento.


É comum também que em grupo de música popular e jazz os próprios intérpretes façam pequenos arranjos colaborativos com base nessa parte guia. Nesse caso os integrantes do grupo decidem durante ensaio alguns parâmetros de arranjo: vai ter alguma introdução? Quem vai tocar a melodia? Vai ter solo improvisado? Quem vão ser os solistas? Como a música vai terminar?


Muitas dessas decisões podem acontecer durante a própria performance, de acordo com a sensibilidade de cada músico em ler o contexto e reagir ao que os outros músicos do grupo estão tocando.


No meu curso de “Processos Criativos” – por exemplo – eu incluo o lead sheet da mesma música analisada através da grade. Desta maneira, os alunos podem observar a composição em sua forma mais simples e estrutural. A partir daí, eles conseguem entender o que foi feito durante o processo de arranjo e orquestração, resultando na grade completa do maestro.


Veja abaixo a primeira página do lead sheet de Danças da Quarentena.

Exemplo de lead sheet (parte guia). Composição: Danças da Quarentena (Rafael Piccolotto de Lima)

Partitura dos músicos / Partes individuais

Em composições com instrumentações maiores - como orquestras e big bands por exemplo -, o criador da obra prepara as partituras individuais dos músicos, com tudo que cada um vai tocar, nota a nota. Nela também são inseridas as informações sobre interpretação, duração de pausas e, às vezes, até linhas guias de outros instrumentos, para que o instrumentista consiga seguir a forma da música com maior facilidade.


Em oposição aos outros tipos de partitura citados anteriormente, cada músico tem sua parte individual, focada somente em seu instrumento. A entender que é esperado que, além de ler sua partitura individual, cada músico esteja atento ao todo e que responda auditivamente em contexto.

Exemplo de partitura de músico da orquestra (parte de violino 1). Composição: Danças da Quarentena (Rafael Piccolotto de Lima)

Voltando a questão central deste artigo, qual a diferença entre a partitura do maestro e dos músicos da orquestra?


Enquanto cada instrumentista está focado em sua parte, o maestro acompanha tudo que está acontecendo ao mesmo tempo, corrige erros, é responsável pela direção artística e unifica a interpretação. A grade orquestral (e o estudo/análise prévio dela) é essencial para que ele possa cumprir suas responsabilidades com maestria.

 

Gostou do conteúdo?


Deixe nos comentários dúvidas e sugestões para os próximos blogs! E não deixe de visitar os meus perfis no Instagram, Facebook e o canal do YouTube para vídeos completos com conteúdos exclusivos!


 
Rafael Piccolotto de Lima - Compositor, arranjador, diretor musical, produtor musical e educador
Sobre o autor

Rafael Piccolotto de Lima foi indicado para o Grammy Latino como melhor compositor erudito. Ele é doutor em composição de jazz pela Universidade de Miami e tem múltiplos prêmios como arranjador, diretor musical, produtor e educador.


Suas obras foram estreadas e/ou gravadas por artistas como as lendas do jazz Terence Blanchard, Chick Corea e Brad Mehldau, renomados artistas brasileiros como Ivan Lins, Romero Lubambo, e Proveta, e orquestras como a Jazz Sinfônica Brasileira, Orquestra Sinfônica das Américas e Metropole Orkest (Holanda).


Criadores musicais (conteúdo educacional):

Rafael Piccolotto de Lima (conteúdo artístico):
77 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page