top of page

Onde estão as oportunidades para criadores musicais?

Atualizado: 19 de mai. de 2023

Iniciando a carreira de compositor?
Saiba onde encontrar as oportunidades certas!

Todo início de carreira é complicado. Isso nós já sabemos. Mas, para criadores musicais, o nível de dificuldade para encontrar oportunidades pode ser ainda maior. Muitas vezes, só o empenho, a boa vontade, o talento e o conhecimento não são suficientes.


No começo - na maioria dos casos - dependemos dos outros: de sermos notados e convidados. Gostaríamos de ter oportunidades com grupos já estabelecidos, sejam bandas, orquestras ou qualquer outro tipo de projeto musical. Adoraríamos ter o apadrinhamento e acolhimento de profissionais reconhecidos no mercado, que essas pessoas nos dessem nossas primeiras oportunidades.


Mas, a realidade é geralmente outra. No geral, isso não acontece. Muitos jovens criadores musicais ficam a margem, colecionando composições e arranjos em uma gaveta - ou, hoje em dia, em uma pasta digital que ninguém além deles sabe que existe -, sem oportunidades de apresentarem seu trabalho e de ganharem experiência.


Grupos profissionais - especialmente os grandes, como orquestras sinfônicas - quase nunca dão espaço para repertórios originais de novos compositores. As poucas oportunidades são para profissionais que já têm nome no mercado, credibilidade, experiência e alguma relação prévia com o grupo em questão.



Então, como encontrar oportunidades como compositor, arranjador, orquestrador, enfim, como criador musical?


O segredo é ter iniciativa! Saber olhar o cenário e criar as próprias oportunidades.


Eu separei cinco dicas para quem precisa de um norte para começar!


1 - Projetos pequenos

Busque situações favoráveis para mostrar suas composições e arranjos aos seus professores e colegas músicos. Um bom exemplo é aproveitar todas as oportunidades que tiver para incluir o que você estiver escrevendo como parte sessões de leitura na sua escola de música, conservatório ou universidade. Aulas de composição, arranjo, instrumentação e orquestração muitas vezes dão oportunidades para os alunos terem sessões de leitura.


Outra ótima alternativa é buscar grupos que estão começando e precisando de repertório. Ofereça ajuda sem cobrar. Existem grandes chances deles ficarem felizes com sua proposta e tocarem algo que você escreveu (obviamente, se a visão artística de vocês for convergente e eles gostarem do seu trabalho).


2 - Cultive relacionamentos

Convide outros músicos e artistas para participarem de projetos e eventos onde eles poderão conhecer seu trabalho. Ao fazer isso tome cuidado para não parecer auto-promoção ou spam, especialmente na maneira de fazer o convite. Faça isso de maneira natural que agregue valor e experiências positivas para eles. Entenda que oportunidades e convites para projetos futuros vão vir em grande parte dessas pessoas, pessoas que conhecem você e admiram seu trabalho.


3 - Cada oportunidade pode gerar outras

Aproveite pequenas oportunidades. Um primeiro trabalho aceito pode abrir portas e gerar novos convites, independente se você foi pago para fazê-lo ou se fez simplesmente pela experiência e portfólio.


4 - Crie suas próprias oportunidades

Ao invés de simplesmente esperar o convite para compor ou arranjar para alguém, crie suas próprias oportunidades. Comece projetos onde você terá autonomia artística para escolher o repertório e apresentar suas músicas e arranjos.


5 - Faça valer a pena, não economize esforços

Surpreenda positivamente com a qualidade do seu trabalho e sua dedicação. Quanto mais você aproveitar as oportunidades que já tem, mais convites aparecerão. A tendência é que um trabalho bem feito te ajude a ser convidado para outros, incluindo oportunidades maiores.


Prova viva

Eu mesmo sou um exemplo de quem buscou incansavelmente oportunidades desde o início da carreira. Aliás, quando eu era bem jovem, eu já tinha interesse por composições e escrevia antes mesmo de ingressar na universidade.


Eu fazia aulas de trompete e participava do grupo de alunos do professor Clovis Beltrami em Campinas: a "Oficina Trompetando". Sempre que tínhamos uma apresentação, notei que o repertório se repetia e que apresentávamos as mesmas peças. Composições e arranjos originais para essa formação super específica - quartetos ou quintetos de trompete - eram algo raro. Então, resolvi mostrar ao meu professor um arranjo no qual eu estava trabalhando e perguntei se poderíamos toca-lo em um próximo ensaio. Ele aceitou.


Com um sorriso de orelha a orelha, levei as partituras no próximo encontro do grupo. Tocamos. Foi uma das minhas primeiras experiências ouvindo um arranjo meu tocado por um grupo semi-profissional. Eu tinha cerca de 15 anos de idade na época e não me continha de tanta alegria!


Ele analisou, gostou e acabou incluindo a música no repertório do grupo, além de, posteriormente, me encomendar novas músicas que foram gravadas como parte de um álbum: "Caminhos Brasileiros - Estrada Minha" (Oficina Trompetando).



Então, não espere a oportunidade bater a sua porta, crie, realize!

Este é o pensamento que todo compositor deve ter!

 

Gostou do conteúdo?


Deixe nos comentários dúvidas e sugestões para os próximos blogs! E não deixe de visitar os meus perfis no Instagram, Facebook e o canal do YouTube para vídeos completos com conteúdos exclusivos!


 
Sobre o autor

Rafael Piccolotto de Lima foi indicado para o Grammy Latino como melhor compositor erudito. Ele é doutor em composição de jazz pela Universidade de Miami e tem múltiplos prêmios como arranjador, diretor musical, produtor e educador.


Suas obras foram estreadas e/ou gravadas por artistas como as lendas do jazz Terence Blanchard, Chick Corea e Brad Mehldau, renomados artistas brasileiros como Ivan Lins, Romero Lubambo, e Proveta, e orquestras como a Jazz Sinfônica Brasileira, Orquestra Sinfônica das Américas e Metropole Orkest (Holanda).


Criadores musicais (conteúdo educacional):

Rafael Piccolotto de Lima (conteúdo artístico):
178 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page