top of page

Compositor de Música de Concerto x Música Popular - Qual a diferença?

Atualizado: 4 de jan. de 2023

Para os apreciadores, gêneros musicais podem ser apenas uma questão de preferência. Mas, para compositores, arranjadores e produtores musicais, o fazer musical de cada estilo pode ser bem diferente.


Você sabe, por exemplo, qual a principal diferença entre a música de concerto e a música popular? E que compositores de diferentes estilos podem ter processos criativos bem distintos?


Para quem quer se aventurar no universo da criação musical, conhecer profundamente as nuances e diferenças de estilo é algo extremamente importante. Os processos criativos de cada gênero tem uma influência direta no resultado final da obra.



A música de concerto e a música popular podem apresentar similaridades em diversos aspectos, como a construção de um tema, por exemplo, mas tendem a seguir processos de composição e desenvolvimento musical bem diferentes.


O compositor completo

Sob um ponto de vista mais amplo, quando falamos em música de concerto, o compositor geralmente exerce uma série de funções. Ele é o criador completo da obra. Não apenas cria um tema e um acompanhamento de acordes, mas é “responsável” por tudo o que está acontecendo, ou seja, se torna o compositor, arranjador e orquestrador.


Processo colaborativo

Já na música popular, a figura do compositor que cumpre todas estas funções é menos comum. Ao contrário, geralmente os compositores populares focam somente na construção melódica com um acompanhamento simples de acordes (e possivelmente um letra, se for uma canção). Todo o restante do processo de desenvolvimento da obra, incluindo arranjo, muitas vezes é executado por outros profissionais.


A forma

Outra grande diferença é a estrutura. Música de concerto tende a ser mais longa, com formas mais complexas e maior desenvolvimento. Enquanto a música popular, principalmente se pensarmos em uma estrutura de canção, são mais curtas, simples e mais repetitivas, com os versos e o refrão. A música popular tem uma forma bem mais fechada se comparada a estrutura livre e mais alongada de muitas composições de concerto, incluindo o jazz orquestral.


Além disso é importante mencionar que cada compositor, seja ele erudito ou popular, tem sua própria maneira de escrever, o que amplia ainda mais as possibilidades criativas e a variedade de resultados musicais.


Grades orquestrais do maestro - Rafael Piccolotto de Lima

No final das contas, cada compositor tem o potencial de ser um universo musical em si, para além de gêneros e classificações. Minha tese de doutorado, por exemplo, discute exatamente isso, a fluidez dos gêneros musicais e as infinitas possibilidades do processo criativo.


 

Gostou do conteúdo?


Deixe nos comentários dúvidas e sugestões para os próximos blogs! E não deixe de visitar os meus perfis no Instagram, Facebook e o canal do YouTube para vídeos completos com conteúdos exclusivos!



 

Rafael Piccolotto de Lima - Compositor, arranjador, diretor musical, produtor musical e educador
Sobre o autor

Rafael Piccolotto de Lima foi indicado para o Grammy Latino como melhor compositor erudito. Ele é doutor em composição de jazz pela Universidade de Miami e tem múltiplos prêmios como arranjador, diretor musical, produtor e educador.


Suas obras foram estreadas e/ou gravadas por artistas como as lendas do jazz Terence Blanchard, Chick Corea e Brad Mehldau, renomados artistas brasileiros como Ivan Lins, Romero Lubambo, e Proveta, e orquestras como a Jazz Sinfônica Brasileira, Orquestra Sinfônica das Américas e Metropole Orkest (Holanda).


Criadores musicais (conteúdo educacional):

Rafael Piccolotto de Lima (conteúdo artístico):
90 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page